sábado, 19 de janeiro de 2013

Two Become One (8 - Lilás)


LILÁS

 

Esta flor simboliza um profundo desejo.
E a sua cor encantou corações com as suas propriedades misteriosas. Para além de se fixar no simbolismo do mistério, também significa esplendor, encantamento, espiritualidade e amor à primeira vista. É uma óptima opção para presentear a cara-metade com intenções românticas e de adoração.
Acaba por ser uma flor bastante original com um impacto visual extraordinário.

21/Junho/2012

Fechei o diário, assim que ouvi uns passos pela cozinha. Escondi-o no colo e olhei à volta, meia assustada.
- Bom dia, Lorelei. Está tudo bem?
Esta voz feminina pertencia à esposa afável do meu tio Robert.
- Oh, sim. Está tudo okay. Bom dia!
- Porque é que acordaste tão cedo?
- Hum… acordo sempre a esta hora. – Passei os olhos pelo relógio da cozinha. Marcava sete da manhã. Eu tinha acordado às 6h30… Magdalena olhou para mim; parecia surpreendida. – É… um hábito antigo… acho.
- Ai sim?
Comprimi os lábios. Bloqueei certas memórias na minha cabeça e sorri.
- Vou comprar pão fresco para o pequeno-almoço. – Afirmei, dirigindo-me à porta. Já me encontrava vestida e higienizada. Coloquei o diário a salvo dentro da mala e tirei o MP3.
Assim que voltei a casa, comecei a fazer o pequeno-almoço para a Olivia.
Subi as escadas com as mãos a segurarem firmemente uma bandeja com uma caneca de leite, torradinhas, uma maçã vermelha e duas chávenas de café.
Abri a porta do quarto e cantarolei:
- Bom dia! Está um lindo dia lá fora e para o gozares a valer aqui tens o teu pequeno-almoço!
- Lorelei! Vou matar-te! – Berrou ela, contra a almofada.
Fingi-me chocada e levei uma mão à cabeça. Ri-me, enquanto afastava as cortinas para a luz do Sol radiar o nosso quarto emprestado.
Pousei a bandeja em cima da secretária e nisto, sou brutal e inesperadamente agredida por uma almofada maquiavélica.
- Olivia Morgan! Diz-me que não acabaste de fazer isso!
- Acabei, pois! Tem piedade de mim, Loreli!
- Tens aqui o teu pequeno-almoço.
- Que horas são?
Confirmei no visor do telemóvel.
- São 7h35.
Ouvia uivar, stressada.
- Vou, decididamente espancar-te!
- Hey! Isso soa demasiado a Fifty Shades of Grey. – Gracejei. – Isto é o acontece às pessoas que chegam a casa às três e tal da manhã… - Fazendo-lhe olhinhos. – E… por falar nisso… tens de me contar umas coisinhas, não tens? – Provoquei-a.
Tirei a maçã da bandeja e comecei a trinca-la. Hum… estava bem fresquinha.
- Ao que te referes…?
Se a Olivia pensava que se livraria de mim assim tão facilmente, estava redondamente enganada!
Ontem, quando eu estava a fazer concorrência à Miss Depressão 2011, Olivia entrou pelo quarto a dentro com o típico sorriso parvo na cara.
Logicamente que conhecem aquele sorriso que nos faz ficar com rugas nos cantos da boca e dos olhos, que nos instala borboletas na barriga e que com ele parece que voamos sem asas. Aquele sorriso só paira numa mulher, devido a uma coisa… Testosterona! Isso já estava mais do que confirmado na minha cabeça.
Só faltava, portanto, saber a quem pertencia esta testosterona…
E era isso que estava prestes a desvendar. Muah ah ah ah!
- Diz-me!
- Mas digo o quê? – Ela sentou-se e eu trouxe-lhe a paparoca até à cama.
Pode ser que o mel das minhas famosas torradas, me consigam ajudar.
- Diz-me o nome do gajo!
Olivia deixou cair o queixo e esbugalhou os olhos.
- Como raio sabes que há um “gajo”?!
Esbocei uma cara presunçosa e cruzei os braços.
- Ora-ora! Uma palavra: previsível.
- Hum, obrigadinha. – E mordeu uma torrada. Antes a torrada do que eu.
- A sério, Olivi! Diz-me o nome dele.
Via revirar os olhos.
- Ezequiel Garay.
Quase cuspi o bocadinho de maçã que tinha na boca.
- Eze quem?!
- E-Z-E-Q-U-I-E-L.
- Não podias ter escolhido algo mais fácil de dizer?! – Gracejei.
E rimo-nos.
- Então, deixa-me cá ver. Estavas tu a dançar e ele começa a aproximar-se sorrateiramente… e depois mete conversa contigo, paga-te uma bebida, faz-te elogios sem parar e deixa bem claro que quer ir para a cama contigo! – A segunda parte da narração eu disse mesmo muito depressa.
Olivia tapou a cara, corando. Abanou a cabeça.
- Nada disso, sua louca! Ele… tocou-me no cabelo.
- Hã?! – Quase me engasguei. Desta não estava à espera. – Porque fez ele isso?
- Sei lá.
- Qual foi a tua reacção?
- Virei-me para ele, admirada por aquilo.
- Hum.
- Lorelei, eu acho que gosto dele.
- Nem sequer o conheces… Que fizeste de seguida?
- Comecei a falar com ele, mas ele não percebeu nada. Depois começámos a dançar sem dizer nada. Durante muito tempo, mesmo.
- Já estou a visualizar a cena! Corpos quentes a dançarem ao ritmo da música e daquelas luzes ofuscantes… olhos a comerem olhos… ou não só foram só olhos?
Olivia comprimiu os lábios. Estava pensativa.
- Eu acho que não foram só os olhos, realmente.
- AH-AH! – Disse como se a tivesse apanhado.
- Oh, meu Deus! Estou tão envergonhada!
- Envergonhada do quê, páh?! Tens de aproveitar estas férias ao máximo!
- Yah, enquanto tu não.
- Eu dou a volta por cima. Não te preocupes.
- O que vais fazer em relação ao Sergio?
- Vou ignorá-lo, obviamente. O gajo é comprometido.
- Tal como tu.
Sorri.
Liguei o meu portátil e abri o meu e-mail.
Oh, Santinhos do Céu! Tinha sete e-mails do meu irmão Ian.
Nisto, ele abre um chat e mete conversa comigo.


IAN: Onde c****** estás tu?!
LORELEI: Estou bem, obrigada por perguntares. Estou em Espanha com o Matty.
IAN: Porque é que não disseste nada?
LORELEI: Porque tu não irias deixar.
IAN: Claro que não! Tu não sabes tomar conta de ti própria! Só arranjas sarilhos!
LORELEI: =O! Estúpido! Eu não sou uma criança!
IAN: Então, para de te comportar como uma! Volta para casa!
LORELEI: Isso não é uma casa. É uma jaula!
IAN: Eu vou buscar-te!
LORELEI: Não, vens não! Volta para a tua búlgara e deixa-me viver um bocado.
IAN: A Olivia está contigo, não está?! Diz-lhe que o Joseph está furioso!
LORELEI: Vai beber sangue, maninho, para isso te passar! E diz ao Joseph para fazer o mesmo!
Entretanto, procurei no YouTube uma música da Lady Gaga em karaoke.
Começou a tocar e liguei a webcam. Vi o meu irmão do outro lado.
- We don’t cara what people say! We know the truth!
Enough is enough of this horse shit!
I am NOT a freak! I was born with my free guns!
Don’t tell me I’m less than my freedom.
I’m a bitch. I’m a loser baby, maybe I should quit.
I’m a jerk. Wish I had the money, but I can’t find work.
I’m a brat. I’m a selfish punk, I really should be smacked.
My parents tried. Until they got divorced cause I ruined their lives.
I’m a bad kid and I will survive. Oh, I’m a bad kid.
Don’t know wrong from right.

I’m not that typical, baby.
I’m a bad kid like my mom and dad made me.
I’m not that cool and you hate me.
I’m a bad kid, that’s the way that they made me.
Vi-lhe, uma última vez, a face de “what the hell” e desliguei a webcam e o portátil.
- O que raio acabou de acontecer aqui? – Perguntou Olivia.
- Um esclarecimento.
Quero aproveitar ao máximo a minha estadia aqui.
As coisas tinham de mudar!
Eu não sou uma criança, nem sou de ninguém.
Só quero que me deixem respirar, viver o momento e aceitarem-me como eu realmente sou.
Conseguirá alguém um dia aceitar-me em vez de me domar?


 

Lorelei
 

Olivia

4 comentários:

  1. Mae de Deus!!

    Eu vinha preparada para algo...mas...para isto???
    Assim logo no primeiro minutinho em que comecei a ver a conversa daquelas duas fiquei com o sorriso parvo da Olivia.
    E...isto não se devia ter acabado assim...primeiro deveria haver ainda mais discussão com o Ian. Quem é que ele pensa que é pah???

    Mas pronto, creio que nos próximos capitulos venha confusão...ou não! Mas espero mesmo que venha depressinha, sim?

    Besos.
    Ana Patrícia.

    ResponderEliminar
  2. AHAHAHAHA Ainda bem que superei certas espectativas xD
    É... parece k a Olivia e tu... epa até são parecidas XD
    Yah, o Ian passou das marcas!
    Uh... deixo mistério para os próximos caps ehh ehh =P
    Vou fazer o que posso quanto à rapidez ;)
    Jinhs <3

    ResponderEliminar
  3. AHAHAHAHAHAH Até me deste um ataque de riso, Alyra!

    ResponderEliminar